La inserción China en la Amazonía: análisis y consideraciones geoestratégicas

  • Guilherme Lopes da Cunha Universidad Federal de Rio de Janeiro
  • Marcelo de Moura Carneiro Campello Universidad Federal de Rio de Janeiro
Palabras clave: Amazonía, China, Geopolítica, estrategia, Sudamerica

Resumen

La Amazonía Sudamericana, sensible y cobijada por el stock de recursos estratégicos, vive momentos de incertidumbre. La matriz económica regional se basa en la explotación de recursos naturales destinados al mercado externo. Un hecho reciente en la región es la implantación de infraestructura física basada en el transporte de carretera a partir de los intereses asiáticos, sobretodo de China. Una mirada crítica demuestra que la percepción china en estos sectores –sector primario y ampliación de la infraestructura– es dirigida por un interés nacional. China, con objetivos estratégicos determinados, está dispuesta a patrocinar obras de infraestructura, junto con Brasil y otros agentes político-económicos. Las carreteras atraviesan bosques y parecen hacen parte del interés gubernamental chino en las commodities regionales; como demuestra el paso que conecta la producción agropecuaria y mineral del Brasil a los puertos peruanos en el Océano Pacífico. Se pretende analizar la hipótesis de que el desarrollo de la Amazonía corre riesgos de subordinación a los intereses chinos, manteniendo la región como una de las más antiguas periferias del sistema interestatal capitalista. Algunas dudas surgen: ¿Existe la creación de nuevos lazos de dependencia? ¿ La expansión china en la Amazonía contradice los intereses regionales? La apuesta en nuevas revoluciones industriales y tecnológicas que carecen de materias primas abundantes en la región, justifican la conveniencia de investigación científica sobre este contexto.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Guilherme Lopes da Cunha, Universidad Federal de Rio de Janeiro

Candidato a PhD en Economía Política Internacional. Universidade Federal de Rio de Janeiro

Marcelo de Moura Carneiro Campello, Universidad Federal de Rio de Janeiro

Candidato a PhD en Economía Política Internacional. Universidade Federal de Rio de Janeiro


Citas

ACIOLY, L; ALVES, M. A. S. e LEÃO, R. P. F. (2009) “A internacionalização das empresas chinesas”, IN Nota Técnica: Ipea, disponível em http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/2009_nt01_maio_deint.pdf , em 22 de agosto de 2014.

ALMEIDA:R. (2005). “O Brasil e a nanotecnologia: rumo à quarta revolução industrial”, IN Revista Espaço Acadêmico, No. 52, Ano V.

AMSDEN, A.H. (2009). A ascensão do “resto”: os desafios ao Ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora UNESP.

ARRIGHI, G. (1996). O longo século XX: dinheiro, poder e as origens de nosso tempo. Rio de Janeiro: Editora Contraponto.

BECKER, B. (1982). Geopolítica da Amazônia: A Nova Fronteira de Recursos. Rio de Janeiro: Zahar.

BECKER, B. (2009). Articulando o complexo urbano e o complexo verde na Amazônia, IN Becker, B; Costa, F; Costa, W. (Orgs). Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. 1ª ed.. Brasília, DF: CGEE, v. 1:39-86.

BECKER, B; EGLER, C. (1992). “Por que a participação tardia da Amazônia na formação econômica do Brasil?”, In BECKER, B; EGLER, C. Brasil: Uma nova potência regional na economia-mundo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BECKER, B; STENNER, C. (2008) Um Futuro para a Amazônia. Rio de Janeiro: Oficina de Textos.

BRAUDEL, F. (1996). Civilização material, econômica e capitalismo. Séculos XV-XVIII. São Paulo: Martins Fontes.

BUFALINO, L; MENDES, L.M.; TONOLI, G.H.D; RODRIGUES, A.; FONSECA, A.; CUNHA, P.I.; MARCONCINI, J.M. (2014). “New products made with lignocellulosic nanofibers from Brazilian amazon forest”. In 2nd International Conference on Structural Nano Composites (NANOSTRUC 2014), realizada entre 20 e 21 de maio em Madrid, Espanha, disponível em http://goo.gl/cXN9Io, em 9 de março de 2015.

CASTRO, E. (2012). “Expansão da fronteira, megaprojetos de infraestrutura e integração sul-americana”. In Caderno CRH, Vol. 25, No. 64, pp. 45-61, disponível em http://www.scielo.br/pdf/ccrh/v25n64/04.pdf , em 9 de março de 2015.

CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (2011). Resumo Executivo. In Soerguimento tecnológico e econômica do extrativismo na Amazônia. CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, Brasilia.

CHANG, H. J. (2009) “Hamlet without the Prince of Denmark: How Development Has Disappeared from today’s development discourse”, forthcoming (2010) in S. Khan e J. Christiansen (eds.), Towards New Developmentalism: Market as Means rather than Master (Routledge, Abingdon), 15 February 2009 version, disponível em http://goo.gl/IcdN08 em 3 de março de 2015.

CUNHA, G. L. (2014). “Aspectos estratégicos da Parceria Trans-Pacífico”. In Anais do VII Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política, realizado entre 14 a 16 de abril de 2014, na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Portugal.

CUNHA, G. L. (2015). “The United States, China and Brazil in the Geopolitics of regional integration process”. In International Studies Association´s 56th Annual Convention, February 18th-21st, 2015, New Orleans, Louisiana.

CUNHA, G.L. e APPEL, T.N. (2014a). “Los desafíos de Brasil bajo los intereses estratégicos de China en Suramérica”. In Anais do Tercer Congreso de Ciencia Política de la Asociación Colombiana de Ciencia Política (ACCPol), realizado entre os dias 24 e 27 de setembro de 2014, nas universidades Pontifícia Universidad Javeriana, Universidad ICESI e Universidad del Cauca, em Cali e Popayán, Colômbia.

CUNHA, G.L. e APPEL, T.N. (2014b). “Geopolítica e trajetórias de desenvolvimento comparadas: América do Sul e Leste da Ásia”. In Revista Científica General José Maria Cordova, v. 12:89-105, disponível em, em 10 de dezembro de 2014.

DOMINGUES, J. I. (2006) “China’s relations with Latin America: shared gains, asymmetric hopes”. In Inter-American Dialogue China working paper.

FIORI, J.L. (2008). O sistema mundial no início do século XXI, IN FIORI, J. L., MEDEIROS, C. A. e SERRANO, F., O Mito do Colapso do Poder Americano. Record.

FIORI, J.L. (2009). “O poder global e a nova geopolítica das nações”. In Crítica y Emancipación, (2): 157-183.

GOUVEIA, R. (2015). “Designing a Nano Infrastructure for Brazil’s Amazon Water Resources: A Quadruple Helix Approach”. In Journal of Water Resource and Protection, v. 7, pp. 72-78, disponível em http://www.scirp.org/journal/jwarp , em 5 de fevereiro de 2015.

GRANGER, S. (2008). “Guiana Francesa, um território europeu e caribenho no caminho da sul-americanização?”. In Revista Eletrônica Ateliê Geográfico, v.2, nº2, pp. 156-168, disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/atelie/article/view/4705/3966 , em 9 de março de 2015.

HIRSCHMANN, A. O. (1958). The Strategy of Economic Development. Connecticut: New Haven.

HOBSBAWM, E.J. (1995) A Era dos Extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras.

HU, A. (2011) “China and the world: assessment and prospect of the “Post-Crisis” Era”, IN TMD Working Paper Series, No. 40, Department of International Development, University of Oxford, disponível em http://www3.qeh.ox.ac.uk/pdf/ptmd/SLPTMD-WP-040.pdf , em 12 de agosto de 2014.

HUETE-PÉREZ, J. (2014) “Nicaraguan Canal Could Wreck Environment, Scientists Say”. In National Geographic, reportagem de Brian Clark Howard, February 20, 2014, disponível em http://goo.gl/dwPj3P, em 3 de março de 2015.

HUNTINGTON, S. (1997) O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Rio de Janeiro: Objetiva.

IANNI, O. (1999) A era do globalismo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

KENNEDY:(1989). Ascensão e Queda das Grandes Potências. Ed. Campus.

MEDEIROS, C. (2008). Os Dilemas da Integração Sul-Americana. Cadernos do Desenvolvimento vol. 3 (5), dezembro. pp. 213-254.

OVERHOLT, W. H. (2008). Asia, America, and the transformation of Geopolitics. Cambridge University Press e Rand Corporation.

PADULA, R. (2013a). “A Aliança para o Pacífico, o Brasil e o poder global na integração regional da América do Sul”. In Anais IV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações internacionais - ABRI, realizada em Belo Horizonte, entre 23 a 26 de julho de 2013.

PADULA, R. (2013b). “A geopolítica da Bacia do Pacífico e a integração regional da América do Sul”. In Revista do IMEA-UNILA, Vol. 1, n.2, pp 30-47.

PICOLI, F. O Capital e a devastação da Amazônia. 1ª Ed., São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PINTO, E. C. (2013). “A dinâmica dos recursos naturais no Mercosul na década de 2000: “efeito China”, estrutura produtiva, comércio e investimento estrangeiro”. In Texto para discussão 005, 2013, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SLIPAK, A. M. (2014). “América Latina y China: ¿cooperación Sur-Sur o ‘Consenso de Beijing’?”. In Revista Nueva Sociedad, n. 250, marzo-abril. pp 102-113.

VILHENA SILVA, G. (2010) ¨Considerações sobre a organização do tratado de cooperação amazônico e a integração física da amazônica internacional”. In Revista Eletrônica Boletim do TEMPO, ano 5, nº 7, disponível em http://goo.gl/Sw2u1p, em 3 de março de 2015.

WALBORN, G.A. (2014). “The americas in the balance: National Security Implications of Chinese Influence in Latin American”, tese de doutorado em the U.S. Marine Corps War College, disponível em http://faoa.org/Resources/Documents/Walborn.pdf , em 4 de março de 2015.

ZAKARIA, F. (2008). The post-American World. W. W. Norton e Company, New York, London.

Linkografía:
World Factbook - http://goo.gl/PSbt4W
Publicado
2014-12-07
Cómo citar
Lopes da Cunha, G., & de Moura Carneiro Campello, M. (2014). La inserción China en la Amazonía: análisis y consideraciones geoestratégicas. Trans-Pasando Fronteras, (6), 241-262. https://doi.org/10.18046/retf.i6.1868